O ronco do fole no Recife!

A oportunidade de lançar o nosso livro no estado natal de Luiz Gonzaga, Marinês, Nelson Valença, Onildo Almeida, para citar apenas alguns grandes pernambucanos, mesmo durante o período pré-carnavalesco, não poderia ser desperdiçada.

Por isso, com muita satisfação, aceitamos o convite da Saraiva para conversar sobre “O fole roncou!” no confortável auditório de sua novíssima loja no shopping RioMar. Foi o que fizemos na noite desse sábado, no Recife.

Image

E foi muito bacana, por vários motivos: além do reencontro com familiares e amigos de infância e fãs do livro, também tivemos a chance de, como em João Pessoa, ter o privilégio de contar com um de nossos principais “personagens” ao vivo, contando histórias ligadas à sua trajetória – inclusive histórias que não estão no livro.

Se, na capital paraibana, João Gonçalves e Biliu de Campina, divertiram e encantaram a plateia no auditório do Zarinha, dessa vez foi Oséas Lopes, o líder do Trio Mossoró, quem garantiu a atenção dos presentes ao repassar sua carreira como cantor e também como produtor de grandes sucessos de Luiz Gonzaga, Genival Lacerda e tantos outros.

Image

Oséas contou, por exemplo, como sugeriu a Dominguinhos que convidasse Chico Buarque para interpretar “Isso aqui tá bom demais”, parceria do sanfoneiro com Nando Cordel,e que se tornaria um dos maiores sucessos do forró nos anos 1980. Também lembro que o Trio Mossoró interpretou “Carcará”, de João do Vale, em diversos programas de televisão no Rio de Janeiro nos anos 1960, quando a música já fazia sucesso com a interpretação de Maria Bethania. Chegaram a tocar no programa “Hoje é dia de rock”, rompendo os limites do gênero. Sem, contar, claro, o trabalho na produção dos derradeiros sucessos de Gonzagão, como “Danado de bom” e “Forró Número Um”.

A noite também foi especial pela valiosa contribuição de um grupo de pesqueirenses, que nos fez aproveitar a ocasião para fazer, por intermédio do pesquisador Walter Freitas, uma justa homenagem a um dos mais ilustres filhos de Pesqueira, Nelson Valença, o autor de “O fole roncou!”, a quem tratam carinhosamente de “O professor”. Eles fazem um trabalho muito importante de preservação e divulgação da obra de Valença, que faleceu no ano passado e que eles chamam carinhosamente, até hoje, de  “Seu Nelson”.

A todos, o nosso agradecimento por mais essa possibilidade de divulgar não só o nosso trabalho mas também reverenciar a obra de nomes tão importantes, e infelizmente ainda pouco reconhecidos, como Valença, Oséas Lopes e tantos outros.

Image

 

PS: Oséas Lopes (foto acima) também fez duras críticas, baseada em sua experiência, da atual realidade das rádios, em que é preciso pagar para tocar. Simplesmente lamentável. 

PS II: Para mais informações sobre a rica trajetória de Nelson Valença, acesse o blog http://www.oabelhudo.com.br

“O fole…” vai roncar no Recife

Depois de Brasília, Belo Horizonte, São Paulo e João Pessoa em 2012, agora é a vez de começar 2013 com mais histórias de sanfona, suor e chamego: vamos fazer o lançamento de “O fole roncou!” no Recife, terra de muitos dos nossos entrevistados e, claro, cidade essencial para se recontar a trajetória de nomes como Genival Lacerda, Jackson do Pandeiro, Arlindo dos 8 Baixos e tantos outros.

Oséas Lopes (na foto abaixo, em registro do amigo Ricardo Labastier, para o Jornal do Commercio), o mentor do Trio Mossoró e que também fez muito sucesso como cantor romântico nos anos 1970 com o pseudônimo de Carlos André, é um dos nomes confirmados no lançamento recifense, que será no dia 26, um sábado, na livraria Saraiva do novo shopping da capital pernambucana, Rio Mar, a partir das 19h. Esperamos ver todos os forrozeiros pernambucanos por lá!

oseaslopes